quarta-feira, novembro 22, 2017

Memórias fragmentadas

No texto publicado a semana passada, intitulado “A fachada”, por necessidade de não transgredir o espaço que gentilmente me é disponibilizado, não me alonguei em demasia com menções à evolução da povoação.

Visitar os espaços onde vivemos a infância, ajuda-nos a preservar a memória. Percorrer a casa dos pais, ou mesmo dos avós, permite manter intactas certas recordações, sobretudo quando o espaço físico permanece semelhante ao longo de anos. As memórias individuais, ou familiares, transformam-se em coletivas, quando as vivências foram partilhadas em espaço público. Tudo é mais fácil se o espaço continua semelhante. O pior é se tudo é modificado, ou destruído, não ficando vestígios desse passado.

Neste capítulo, as transmissões orais funcionaram, durante anos, como a base da memória de uma povoação. Esta tendência humana, de partilha de lembranças, teve a necessidade de ser documentada para o futuro. Primeiro, através da pintura paisagística, ou pela descrição literária, que ajudavam a documentar as recordações. Pode-se incluir neste âmbito, os documentos oficiais, caso o escriba tivesse obrigação de fazer algum enquadramento do local.

Tudo mudou com a introdução das fotografias. E da captação de imagens com movimento, os filmes. A divulgação, dos primeiros destes documentos, permitiu à imprensa desempenhar um papel preponderante na perpetuação da memória coletiva ao longo do século XX. As redes sociais, já no presente século, permitiram a partilha de fotos e vídeos pessoais, o que pode ser considerado como o lado mais positivo desta novas formas de sociabilização.

A recolha dos mais variados documentos possibilita entender-se melhor a história de cada povoação. Infelizmente, em S. João da Madeira, a maioria desses documentos e mesmo a memória coletiva, concentra-se no desenvolvimento ocorrido ao longo do último século.

Existem menções históricas em documentos medievais, anteriores à independência de Portugal. Mas, a partir daí, ao longo dos vários séculos, todo o evoluir da região de Terras de Santa Maria – do feudalismo até à criação do concelho da Feira no século XVI – permanece nebuloso. Perceber como a estrada real atravessava a paróquia de S. João da Madeira, como se desenvolvia o casario, com os seus ofícios relacionados com madeira e sapatos, são exercícios imaginativos. É certo que a partir da Monarquia liberal, portanto, no século XIX, com a agregação ao novel concelho de Oliveira de Azeméis começa a haver mais informação. Ainda assim, os vestígios que permaneceram para o século XX, foram as vastas propriedades agrícolas, entretanto fragmentadas e alguns agrupamentos de casas, em torno de alguns lugares, incluindo igrejas.

Poder-se-ia esperar um espólio mais alargado, comas fotografias e os filmes, para melhor retratar o século passado. No entanto, apesar de existirem várias fotografias e mesmo coleções, a maioria continua no foro privado. Mais concretamente, as várias imagens captadas por Carlos Costa continuam a não estar no acervo municipal. Para os mais novos (em idade ou com menos de tempo de habitação na cidade), é necessário fazer um enquadramento, pois o nome poderá não significar nada. Carlos Costa foi um fotógrafo amador que captou várias cenas do quotidiano sanjoanense, ao longo de várias décadas do século XX. A sua coleção está dispersa pelos seus herdeiros. Como representa um valor inquestionável para a comunidade local, seria de todo o interesse que a Câmara Municipal o adquirisse para o seu acervo, podendo a partir daqui desenvolver e apetrechar a tal “Casa da Memória”, por exemplo.

No mesmo sentido, existem documentos interessantes associados às casas comerciais que se dedicavam à venda de material fotográfico. Seria um desperdício para a memória coletiva, que todo esse espólio se perdesse, com o encerramento desses estabelecimentos.

Para finalizar a ideia dos exemplos fragmentados, seria igualmente interessante que os documentos, alguns seculares, da paróquia fossem cuidadosamente digitalizados e colocados ao dispor da comunidade.

A autarquia tem um papel preponderante para promover a centralização das memórias dispersas. Nos últimos anos, conseguiu abrir ao público dois museus de cariz industrial. Foi consensual, ao longo da última campanha eleitoral, as propostas para se aproveitar a singularidade nacional da indústria do lápis e associá-la ao espólio dos Encontros Internacionais de ilustração. Parece-me ser igualmente importante que o património humano da população tenha agora o seu lugar, num espaço próprio e condigno, para preservação da memória coletiva.

 

(a publicar no dia 23/11/17)

quarta-feira, novembro 15, 2017

A fachada

O modo de ser lusitano persistiu durante anos na maneira de viver dos Portugueses. Castrejos, encerrados sobre o seu povoado, assim se justifica a variedade musical do seu povo, pelas demais regiões, ou ainda pela peculiaridade da sua secular cozinha, que vai variando de tipicismo em poucas léguas.

As aldeias são o que restam dessa forma de vida. Sem plano urbanístico, com arruamentos estreitos e sinuosos, com casas a entrar pelas ruas, sem qualquer harmonia na construção. Nem é em vão que sistemas radiais permaneceram durante anos nas principais cidades portuguesas, ou que é usual existir uma Rua Direita nas mais diversas toponímias, por ser diferente das outras artérias da povoação. Outra caraterística é o horror ao vazio. Os largos, que eram pequenos, eram sempre preenchidos com qualquer elemento no centro. Isto é usual na paisagem humana Portuguesa. São comuns praças com o centro preenchido com árvores, ou pequenos lagos, ou chafarizes, além de pelourinhos, cruzeiros e as merecidas estátuas de homenagem

Tudo mudou com o terramoto de 1755. Em Lisboa, a necessidade de reconstrução, implicou a adoção de um sistema ortogonal, com ruas mais largas, paralelas e com outras a cruzar-se perpendicularmente. Sistema que vigorou na construção nas avenidas novas, anos mais tarde. A harmonia da construção foi outra caraterística adaptada.

A cidade do Porto, depois das desavenças absolutistas, já no século XIX, iniciou a sua expansão com o mesmo sistema ortogonal, abrindo-se ruas e avenidas, para norte, para o mar, dentro do mesmo princípio moderno.

Ainda assim, é visível nestas cidades, a ideia de preencher o centro das praças. Permaneceu como fator histórico do povo que somos. As grandes praças de Lisboa têm estátuas no centro. No Porto também. E no resto do país são raras as exceções de praças espaçosas.

Esta apetência arquitetónica vinca a diferenciação no Iberismo dos dois povos peninsulares. Os portugueses com as suas praças preenchidas e os espanhóis com espaços amplos. Uma exceção, curiosa, é a cidade do país vizinho, Mérida, outrora a capital romana da província Lusitânia. Ali tudo está preenchido, na praça central, parece que estamos em Portugal, o templo a Diana, mais intacto que o de Évora, está rodeado de alçados de prédios e nas principais ruínas romanas avistam-se as varandas dos prédios circundantes.

Toda esta introdução, histórica, permitirá entender-se o desenvolvimento urbano do século XX. Por um lado, a abertura de ruas e praças com amplitude e largas, por outro, a necessidade de ocupar o vazio, sobretudo, nos terreiros. Não esquecendo a harmonia arquitetónica, nos edifícios a construir, com fachadas semelhantes e idêntico número de andares.

Neste capítulo e centrando a atenção do leitor para a Praça Luís Ribeiro, pode-se verificar que a desocupação da zona central permitiu uma extensão pouco comum à nossa cultura. Ainda assim, pelo projeto divulgado na imprensa local, está programada a plantação de árvores, num anel interior, o que irá preencher mais um pouco o “miolo” da praça, retirando-lhe novamente versatilidade. Mais relevante e sem solução imediata no projeto de reabilitação urbana em curso, é o enquadramento do edifício Parque América. Com moradores, com comércio e serviços ali instalados a sua demolição não faz qualquer sentido. Contudo, uma alteração na fachada, com pintura de branco e a colocação de aros de granito, em torno dos pilares da arcada e das janelas, tornava o edifício mais encaixado. A réplica da fachada dos edifícios em meia-lua construídos à sua frente, com a simulação do avermelhado telhado à cota dos oponentes, pode ser equacionado em projeto futuro.

Apenas uma minimização do impacto visual do prédio, que poderia proporcionar-lhe uma maior ocupação, caso se converta em espaço contemporâneo de serviços, trazendo com essa uma maior dinâmica ao centro da cidade.

 

(a publicar no dia 16/11/17)

quarta-feira, novembro 08, 2017

Caras

As reportagens sobre os conterrâneos espalhados pelo mundo, leva ao esquecimento dos que vivem perto e assumem posições de relevo no quotidiano nacional.               

Na passagem de António Costa por S. João da Madeira, no pretérito mês de Setembro, surgiu uma informação que despertou interesse: “há três Secretários de Estado oriundos desta cidade”.

               Um deles despensa apresentações, Pedro Nuno Santos, político local, está em funções desde a primeira hora deste XXI Governo constitucional, exercendo as funções de Secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares.

Ana Lehmann, Secretária de Estado da Indústria, teve destaque na imprensa local, logo na tomada de posse, tendo sido explicado as suas ligações à cidade e indicado o nome dos seus familiares.

Entretanto, ficou-se a saber que desde essa tomada de posse, há uma terceira Secretária de Estado, desta feita da Habitação, de seu nome Ana Pinho, que se apresenta como sendo de S. João da Madeira.

À semelhança das notícias associadas a Ana Teresa Lehmann, fiquei à espera que a imprensa local nos informasse quem era Ana Pinho.

Esperei uma semana, mais outra e nada vi escrito. Era tempo assumido da campanha eleitoral e as atenções da imprensa estavam depositadas em outros protagonistas.

É sempre bom verificar que aos nossos conterrâneos é reconhecido mérito social, profissional e político para exercerem cargos importantes no nosso país.

A curiosidade em saber-se quem é quem e se por acaso nos cruzamos no passado, na infância, ou na adolescência, ou mesmo em adulto, sobressalta-nos a memória.

Antes de avançar com os dados de Ana Pinho e a propósito de recordações da adolescência, como fui contemporâneo de Ana Teresa Lehmann na Escola Secundária Dr. Serafim Leite, recordava-me das suas capacidades académicas. Lembrava-me de anos mais tarde, a ter visto em alguns debates da televisão e de a ter reconhecido, apesar do nome de casada. Como Ana Lehmann vivia no Porto e estava a exercer atividade profissional na CCDR-N, propus o seu nome para participar no Fórum Repensar S. João da Madeira, no ano de 2012. Por dificuldades várias o seu contributo não veio a ser conseguido. Em 2013, vi o seu nome a ficar relacionado com a Assembleia Municipal do Porto e atendendo à sangria que o executivo municipal daquela cidade sofreu, durante os últimos 4 anos, cheguei a comentar com uma sua antiga colega de turma que a Ana Teresa estaria bem posicionada para ser Vereadora da Câmara Municipal do Porto, pela lista de Rui Moreira. Apesar do meu palpite, errei no prognóstico. Ainda bem.

Voltemos a Ana Pinho.

Depois da espera, passei eu próprio à pesquisa. Por isso, aproveito as próximas linhas para vestir a pele de jornalista e transmitir os dados que recolhi.

Vi as suas habilitações académicas e o currículo profissional, continuei sem saber quem era. Revi a fotografia da tomada de posse dos vários Secretários de Estado perfilados e não reconheci aquele perfil. Até que aprofundei mais um pouco. Pesquisei o nome e ao ver Ana Cláudia da Costa Pinho a memória começou a processar alguma informação. Ainda assim, só quando acedi a uma fotografia individual, é que reconheci aquele rosto. Em primeiro lugar, associei-a com uma sua irmã, que foi minha colega no secundário em pelo menos 3 anos.  Confirmando esta informação, recordei-me que a conhecia como Cláudia e que tinha jogado xadrez na AEJ, nos primeiros anos da década de 90, ou seja, na sua adolescência, tendo participado no Campeonato Nacional Feminino organizado em S. João da Madeira. Lembrei-me então que o seu pai foi proprietário de um próspero comercio de motas, situado das galerias comerciais Santo António. Julgo que o stand tinha o nome de “Big Rela”, se a memória não me falha.

O pior é se falhou e tudo o que eu escrevi, acerca da ligação da Secretária de Estado da Habitação a S. João da Madeira, não se confirmar.

 

(a publicar no dia 09/11/17)

terça-feira, outubro 31, 2017

E a Carta Educativa?

A dois meses do fim do ano, o Orçamento de Estado de 2018 (OE18) passou a ser o tema dominante da política nacional. Será certamente um ano histórico, com a possibilidade da diferença entre as despesas e as receitas do Estado ser menor a 1%, o que poderá significar que durante uns trimestres, essa diferença seja nula.

A “receita” será a mesma, controlo da despesa, com as cativações por Ministério a terem direito a indicador e controlo mensal pela Assembleia da República. Por outro lado, o investimento público continuará reduzido, não provocando alterações no crescimento do Produto Interno Bruto, antes pelo contrário.

Uma das certezas do próximo ano é que os manuais escolares para os alunos do 1º ciclo, continuarão a ser gratuitos. O sistema de reutilização desses manuais será melhorado, aperfeiçoando-se uma medida, que não é apenas simbólica, já utilizada em muitos países europeus. A incerteza que perdura, relativamente aos manuais escolares, prende-se com o alargamento da gratuitidade até ao 9º ano.

Enquanto isto não fica decidido é importante verificarmos como deve ficar o apoio autárquico ao ensino.

Durante anos, várias autarquias consagraram a oferta de manuais escolares aos alunos do 1º ciclo do ensino básico. Algumas optavam também por oferecer material escolar. Os destinatários dessa medida alteravam conforme o concelho e a sua disponibilidade financeira. Por cá, em S. João da Madeira, os mais necessitados eram os visados, recebendo apenas manuais. Houve um ano de interregno nesta política de apoio familiar, consagrando-se todas as famílias, independentemente do seu rendimento. A experiência autárquica do atual Primeiro – Ministro permitiu prever um programa nacional de oferta de manuais e atendendo às restrições orçamentais, implementou-se o tal sistema de reutilização, para alunos de anos futuros.

Com esta medida do Estado central, as autarquias ficaram órfãs da sua generosidade. Ficou patente nas últimas eleições para o poder local, em alguns programas eleitorais, a oferta de manuais escolares. Uma duplicação ou um complemento é a dúvida que subsiste. A confusão nas propostas poderia ser entre manuais escolares e livros de atividades, o que permitirá sustentar a tese de suplemento, caso o objetivo fosse a oferta destes últimos.

A questão que importa aprofundar é se é necessário tanto altruísmo para com a generalidade das famílias dos alunos do 1º ciclo.

Os indicadores educativos do concelho estão desatualizados. A Carta Educativa limitou-se a consagrar os agrupamentos escolares. Estes reportando ao Ministério de Educação estão preocupados com os rankings impostos por Lisboa. Os indicadores que demonstram a realidade educativa do concelho, como o abandono escolar, não são aprofundados, nem publicados anualmente.

Os dados nacionais recentemente divulgados demonstram duas situações. Em primeiro lugar, o tradicional abandono escolar precoce, foi diminuindo ao longo dos últimos dez anos, no entanto, em 2016 teve um pequeno aumento, fixando-se nos 14% de jovens que não completam o 9º ano. Em segundo lugar, atendendo às novas metas da escolaridade obrigatória até ao 12º ano, os números são demolidores. Pelo estudo divulgado em Setembro passado, 36% dos jovens portugueses abandonam os seus estudos no ensino secundário. Esta realidade coloca Portugal na cauda dos países desenvolvidos.

A situação de S. João da Madeira não deve diferir muito da realidade nacional. Neste sentido, caso os indicadores concelhios assim o demonstrem, é importante traçar políticas municipais de apoio aos jovens e suas famílias, para contrariar o abandono escolar.

Mais do que “chover no molhado” e estar a apoiar quem já é contemplado pela gratuitidade (sem necessidade real), importa definir novas metas no Orçamento Municipal e lançar um programa que permita aumentar a qualificação da população jovem do concelho, extrapolando apoios quer ao nível de manuais, quer de livros de atividades, ou mesmo de material escolar, adequado aos alunos do ensino secundário, seguindo o princípio nacional da reutilização, atendendo às restrições orçamentais.

Um desafio para os novos autarcas.

 

(a publicar no dia 02/11/17)

quarta-feira, outubro 25, 2017

Valorizar o meio multicultural da cidade

Carlota Amado teve honra de primeira página na edição do jornal labor de 12/10. A manchete da entrevista da pianista radicada em Munique não passou despercebida: “Adoro o meio multicultural em que vivo”, foram as palavras destacadas.

Uma frase sintomática para quem escolhe a arte como profissão e tem a oportunidade de viver em cidades com apetência para desenvolver a carreira artística.

Uma frase igualmente exemplificativa da ambição da nova geração de músicos, para quem não chega a oferta de Porto ou de Lisboa, cidades portuguesas com reais possibilidades de um artista exercer a sua atividade de forma mais reconhecida.

Uma frase que pode servir de mote para um programa autárquico, atendendo ao novo ciclo que agora se inicia.

“Valorizar o meio multicultural da cidade”, é um imperativo para dar consequência aos investimentos municipais dos últimos dez anos, em equipamentos culturais.  

Os programas eleitorais, dos partidos representados no novo executivo municipal, focaram-se na difusão de agentes culturais, quer através da expansão do festival de teatro a outras empresas em laboração em S. João da Madeira, quer alargando a participação a várias iniciativas aos moradores dos bairros sociais da cidade, no sentido de promover a inclusão social através de atividades culturais. A ampliação previa-se numa determinada proposta eleitoral, na qual participei na elaboração, passaria também por envolver os artistas individuais da comunidade, integrando-os nas várias iniciativas culturais, existentes no calendário da cidade.

Independentemente da boa vontade das propostas eleitorais, existe uma realidade educativa que não mereceu a devida atenção por parte dos proponentes políticos.

Trata-se do ensino articulado de música ou de dança, que funciona até ao 9º ano e não tem algum tipo de consequência na comunidade. Ou pelo menos, não é visível.

Existem duas fases. Uma primeira agrega os jovens estudantes do 5º ao 9º ano. Havendo jovens de concelhos vizinhos que optam por fazer os seus estudos de primeiro contacto com estas artes na cidade. No final do ciclo de ensino, a tal segunda fase, apenas uma minoria prossegue com o estudo artístico. Alguns como complemento aos estudos curriculares, permanecem ligados às instituições de ensino artístico da cidade e outros que pretendem o estudo de artes de forma mais intensa recorrem a escolas profissionais, ou a escolas com ensino integrado, em outras localidades. Pode-se dar como exemplo, a nível de música escolas da Branca, Espinho, Paços de Brandão, Aveiro e Porto e a nível de dança, Branca e Vila Nova de Gaia.

Existem duas constatações perante estes movimentos: quem é de fora do concelho, raramente fica com ligação a S. João da Madeira e por outro lado, quem sai para prosseguir os seus estudos artísticos, fica apenas com uma ligação afetiva à cidade, o que não sendo pouco, não é suficiente.

Contrariar isto não é fácil.

Não estando eu ligado a qualquer estabelecimento de ensino, nem instituição cultural, nem associação cultural, posso apenas iniciar um debate, escrevendo a minha perspetiva sobre o assunto, baseando-me na minha experiência de encarregado de educação, tendo precisamente dois educandos relacionados com artes.

No meu ponto de vista, uma forma de manter o contacto dos jovens artistas com a cidade é dar-lhes a oportunidade de continuar a praticar a sua arte em S. João da Madeira. Através da constituição de orquestras, companhias de dança e até de teatro, consegue-se agarrar os jovens à cidade, melhorando o nível qualitativo das propostas culturais. Obviamente que o modelo de Associação é meu preferido, tendo sempre como referência o Coro de Câmara de S. João da Madeira. (Para não confundir ninguém, a ideia é direcionada para jovens, para fazer a captação de talentos em anos de ensino obrigatório, ou nos anos seguintes e não para criar companhias profissionais.)

Por outro lado, o ensino artístico no secundário devia ser uma realidade. Aproveitando-se todo o potencial da cidade com salas de espetáculo, museus, incubadoras de criatividade, pode ser um argumento competitivo para fixar temporariamente jovens estudantes na cidade, trazendo dos concelhos vizinhos outros interessados. A solução podem ser cursos profissionais, não esquecendo que existem escolas devolutas no concelho, caso o argumento das infraestruturas venha a debate.

É uma perspetiva que faz a ligação da educação com a cultura, servindo como fator dinamizador na melhoria das competências da população.

Esta valorização do meio multicultural, alicerçada em jovens, não evitará a saída dos mesmos para os grandes centros culturais nacionais, nem muito menos para qualquer cidade do estrangeiro. Mas, deixará marcas, mantendo os jovens ligados por muitos bons anos ao concelho, colocando-os como fundamentais em toda uma política cultural que, atendendo ao potencial físico, precisa de ser diferenciadora.

 

(a publicar no dia 26/10/17)

quarta-feira, outubro 18, 2017

Coincidências

Nota prévia: Os feriados de Outubro anteciparam a publicação semanal do jornal labor, nas edições das duas últimas semanas. Como habitualmente escrevo à terça-feira à noite, ou seja, depois do fecho editorial, não coincidi, por isso, no envio de artigos.

1700: A nota prévia fará mais sentido para os leitores, atendendo a que só nesta edição, passado quinze dias das eleições autárquicas, é que irei fazer um comentário sobre o assunto. A passagem deste período de tempo permite analisar de forma mais racional e menos emotiva (ver nota final), o resultado eleitoral.

A vitória do PS foi esmagadora.

A comparação de resultados tem que ser feita com os das eleições de 2016. As intercalares, portanto. Nestas circunstâncias há um dado curioso: o PS conseguiu uma melhoria de cerca de 1.700 votos, passando dos 4.400 para 6.100. Este ganho correspondeu a um decréscimo de igual valor da coligação PSD / CDS, ou seja, dos 5.200, do escrutínio das intercalares, a “maioria por S. João” desceu para 3.500 votos. Os valores apresentados não são rigorosos, não entrando na minúcia dos números, na ordem das dezenas e unidades, o que será facilmente entendível. No fundo, o que importa realçar é grandeza da movimentação dos votos e não a singularidade dos mesmos.

Convém igualmente evidenciar, antes de prosseguir com qualquer tipo de análise à alteração do sentido do voto dos eleitores, com outros dados: o aumento da abstenção em 400 eleitores, coincidindo este número com a votação do Movimento Independente “S. João da Madeira Sempre”, nas intercalares de 2016. Outra coincidência é o número de votos obtidos pelo PAN ser idêntico à perda relativa da CDU, do BE e do outro partido concorrente nas eleições do ano passado.

Não é linear que os votos tenham migrado conforme as coincidências numéricas, no entanto, esta evidência ajudaria mais facilmente a explicar os resultados das eleições autárquicas de 2017.

Existem várias explicações para a vitória do PS. Muitos procuraram atenuar o feito de Jorge Sequeira, tentando encontrar explicações nas desavenças do PSD ou na rotura de Ricardo Figueiredo com a concelhia do mesmo partido. Com o devido respeito pelos visados, julgo que a vitória é conseguida por mérito do próprio Jorge Sequeira.

Quais as razões para defender esta tese?

Reveja-se o processo eleitoral.

Em Abril, depois de meses de muita pressão da opinião pública, a concelhia do PS anunciou o seu candidato. Jorge Sequeira foi bem aceite e começou a trabalhar numa nova imagem do partido – menos populista, mais conciliador, mais próximo das associações locais. No mês de Junho ficava a saber-se que Ricardo Figueiredo não seria candidato pela coligação PSD / CDS. A menos de quatro meses das eleições, Paulo Cavaleiro, como líder da concelhia, assume a sua candidatura, arriscando o seu futuro político. O parceiro da coligação aceitou tal facto.

Em Julho são conhecidos a totalidade dos candidatos do PS. Só em Agosto é que são conhecidos os candidatos da coligação. Antes disso, o executivo municipal derruba o elemento arquitetónico da Praça (com contestação) e o jornal “O Regional” publica uma primeira sondagem, com um elevado número de indecisos, apontando para uma diferença de 10% de intenções de votos, favorecendo o candidato Paulo Cavaleiro.

Em Setembro a menos de um mês das eleições, ambas as forças partidárias apostaram forte, com a vinda de políticos nacionais a S. João da Madeira. O PS apresentou o seu secretário-geral, António Costa e ainda traria mais tarde o atual ministro da Cultura. Pelo lado da coligação, houve uma aposta clara numa ala política do PSD, com a vinda de Paulo Rangel, Rui Rio e Luís Montenegro, todos figuras de referência para a sucessão do ex-presidente do partido Passos Coelho. A balança pendeu para o lado do PS, apesar do apoio do CDS, através de João Almeida, ele próprio candidato e da presença de Pedro Mota Soares.

Entretanto, o programa eleitoral de ambos era divulgado e curiosamente, poucas, ou quase nenhumas, diferenças eram apresentadas. O PS prometia construir uma Piscina Municipal, fazendo “mea culpa” sobre o seu passado recente, o que não deixava de surpreender, ou mesmo de tranquilizar, alguns dos eleitores. Além disso corrigia alguns erros de campanha, deixando de atacar pessoalmente o adversário, passando a explorar as desavenças partidárias, surgidas na elaboração das listas eleitorais.

Chegava-se à última semana. Depois da mobilização de jantares e almoços ter evidenciado um empate de comensais, a rua haveria de clarificar a diferença. Uma arruada, impressionante para domingo à tarde, ficou na retina de quem viu passar a comitiva do PS pela Rua Oliveira Júnior em direção à Praça Luís Ribeiro. Dias depois, a arruada da coligação trazia pouca gente, não entusiasmando quem observava.

Até que surgiu o confronto direto. Numa semana, dois debates. Com poucos dias de diferença (o que não dá hipótese de corrigir algo que tivesse corrido mal no primeiro, a qualquer dos candidatos), a capacidade oratória de Jorge Sequeira sobressaiu. Tranquilo, expôs o seu programa e transmitiu uma imagem de confiança e de preparação política. Os indecisos, que seguiram o debate, devem ter retirado as suas conclusões, podendo depois ao ler as últimas entrevistas publicadas na imprensa local, ter decidido o seu voto.

A poucos dias das eleições, assistiu-se à habitual publicação de sondagens. O jornal “O Regional” publicava a sua terceira projeção, sempre com vitória para Paulo Cavaleiro, embora na última, a diferença fosse menor e indicava claramente o número de indecisos. O jornal labor, por seu lado, publicava uma sondagem apresentando empate técnico, embora com ligeira vantagem para Jorge Sequeira. Ambas as sondagens falharam claramente. 

No final do dia 1 de Outubro, já vencedor, Jorge Sequeira foi extremamente sensato nas suas declarações de vitória. Nos dias seguintes à eleição, tive oportunidade de seguir uma entrevista sua ao Porto Canal e não vi alteração nenhuma relativamente ao seu desempenho enquanto candidato.

Reduzir a vitória do PS a outras questões menores, é não reconhecer talento a quem fez melhor campanha, quem beneficiou do apoio da estrutura nacional e distrital do partido, quem controlou os ímpetos excessivos dos seus apoiantes e sobretudo, quem se preparou melhor politicamente. Penso que terá sido isto que terá motivado perto de 1700 eleitores a alterar o seu sentido de voto, dando uma maioria expressiva a Jorge Sequeira.

Nota final: essencialmente, em questões políticas, sou democrata e plural. Estou bastante longe da militância partidária. Em 2013, apoiei incondicionalmente a candidatura de Ricardo Figueiredo. Passei a ver os meus argumentos em sua defesa, expressos nas páginas deste jornal, a ser partilhados por muitos dos seus apoiantes. Em 2016, fiz parte da Comissão de Honra da sua candidatura. Por estes factos, encetei uma maior proximidade aos partidos que o apoiavam. Neste contexto, apareci, este ano, como membro da Comissão de Apoio de Paulo Cavaleiro, tendo igualmente contribuído para a elaboração do programa eleitoral. Contributo que exerci de forma desinteressada, sempre com a dedicação apropriada. Feito o esclarecimento aos leitores, não nego que no meu passado político, apoiei há vinte anos o candidato do PS, Josias Gil, por simpatia partidária. Mas, entre simpatias e relações afetivas, prefiro as últimas.

 

(a publicar no dia 19/10/17)

quarta-feira, setembro 27, 2017

Do Parque ao Fórum

                A participação no Campo de Férias “Estamos Juntos” fez-me conhecer muitos conterrâneos ainda de tenra idade. Entre os anos de 1982 e 1987, as traseiras da escola primária do Parque recebiam, nas manhãs de Julho, os participantes daquela iniciativa, pioneira no preenchimento ocupacional dos tempos livres das crianças e jovens, entre os 4 e os 12 anos de idade.
Essas manhãs eram preenchidas com atividades desportivas, contacto com algumas e aprendizagem rudimentar de outras. Além da promoção do convívio entre os demais participantes, completava-se o tempo com a experimentação de artes performativas, com peças de teatro e danças a serem as mais eleitas. Com base neste esquema, foram-se sucedendo as edições do Campo de Férias. O número de participantes foi aumentando de edição para edição, apesar de surgir concorrência após as primeiras edições. Uma constante desses anos foi inovação implementada, que atraía os participantes dos anos anteriores e fidelizava outros para os anos vindouros. Neste capítulo, recordo-me da construção de um campo de basquetebol, nos quinze dias anteriores ao início de uma das edições, ou do fim-de-semana em acampamento na Serra da Freita, ou mesmo, a receção de um grupo de ingleses ao abrigo dos programas de intercâmbio, para exemplificar o que se conseguia fazer em tempos remotos.
Neste contexto conheci Paulo Cavaleiro. Lembro-me dele ainda criança, sempre com vontade de descobrir novas modalidades desportivas, de competir com os mais velhos e de se superar. À medida que o conceito do “Estamos Juntos” foi evoluindo, ao ponto de se constituir como Associação e passar anos depois a organizar os Campos de Férias nas Corgas, teve sempre a companhia do Paulo. Recordo quatro desses momentos, que podem ajudar a caraterizá-lo:
I) nos torneios desportivos do Campo de Férias, por vezes, havia provas a decorrer em simultâneo, uma final do torneio de xadrez coincidiu com as provas de Natação, voluntarioso o Paulo manteve a participação em ambas, abandonava o tabuleiro e ia nadar e depois da prova, voltava ofegante para o tabuleiro e repetia o vaivém porque estava inscrito para outra;
II) anos antes, num dos primeiros acampamentos na Serra da Freita, um dos inscritos tinha 4 anos, Paulo era o mais velho, ficou responsável durante os três dias por cuidar do mais novo, a criança foi entregue aos pais sem qualquer arranhão;
III) numa determinada manhã, Paulo e sua irmã Sónia apareceram a correr pelos acessos da escola do Parque com umas folhas na mão, tinham criado um jornal do Campo de Férias – “o Férinhas” – tudo escrito à mão e assim copiado, a iniciativa vingou, tendo sido nesse título em que publiquei o meu primeiro texto;
IV) por fim, na tal evolução da AEJ, organizaram-se vários espetáculos na Praça Luís Ribeiro, em 1989, o “Adeus ao Verão” espetáculo com artistas sanjoanenses e durante vários anos da década seguinte, a festa final do Campo de Férias, escusado será dizer que Paulo participava sempre, mobilizando outros jovens para o palco, enfrentando a assistência sem qualquer dificuldade.
Ao longo do seu percurso de vida, que fui acompanhando, encontrei sempre estas caraterísticas. Primeiro no futebol, depois na sua dedicação à ADS, mais tarde como profissional de desporto e por fim, na sua carreira política. Tudo etapas mais ou menos conhecidas dos leitores e que têm sido lembradas na propaganda política.
Paulo entrou na vida partidária muito jovem, fez a ascensão política de baixo para cima, ou seja, da juventude partidária até ser candidato a presidente da Câmara Municipal de S. João da Madeira, subindo os sucessivos degraus em mais de 25 anos de filiado. É olhado com desconfiança, por um certo elitismo, que não acredita na sua simplicidade e na sinceridade do seu discurso. Esquecem a sua capacidade de mobilização, de iniciativa e da energia que deposita nas suas convicções. Não compreendem que a sua política é próxima dum humanismo preocupado em cuidar dos mais desfavorecidos, promovendo o desenvolvimento e a justiça social. Felizmente, Paulo Cavaleiro não alterou o seu discurso, nem se iludiu com uma perspetiva económica nas suas palavras. Manteve-se focado na cidade, nas suas instituições e associações e sobretudo, nos seus habitantes.
Para chegar ao 7º piso do Fórum Municipal falta-lhe apenas ultrapassar um degrau democrático, vencer as eleições deste domingo.
 

quarta-feira, setembro 20, 2017

Como vai a campanha

A argumentação política, em torno das autárquicas do próximo dia 1 de Outubro, continua aquém do esperado.

Por um lado temos os partidos ou coligações a apresentarem candidatos e o programa eleitoral, ou seja, com um espírito positivo e tentando manter uma elevação eleitoral. Por outro, temos o costume… a centralização na pessoalização, entrando-se na tentativa de denegrir a imagem dos adversários, utilizando-se, desta vez, as querelas partidárias como argumento. Cada vez mais, temos as redes sociais como fator de mobilização. Passando as ideias ali expressas para os textos de opinião nos jornais e até neste contexto surgiu uma notícia não assinada, no jornal labor, na qual a deontologia jornalística parecia ter ficada esquecida.

Poderia escalpelizar os casos e dar vários exemplos, através dos textos que fui recolhendo ao longo deste últimos quinze dias, acrescentando alguns de Julho, quando ficou oficializada a candidatura de Paulo Cavaleiro como candidato pela coligação PPD-PSD / CDS-PP. No entanto, seria maçador para os leitores prosseguir com o exercício exaustivamente, por isso, apenas será apresentado um ou outro exemplo, de forma reduzida.

Ficou visível para a sociedade a inversão de juízo que os agentes de oposição passaram a fazer do presidente da Câmara Municipal em exercício. Ricardo Figueiredo durante três anos e oito meses não foi reconhecido meritoriamente. Sofreu alguns ataques, como nunca tinha sido visto em S. João da Madeira. A partir do momento em que anunciou a sua indisponibilidade para se recandidatar e ficando-se a conhecer os pormenores desse processo, tal facto provocou uma inflexão na opinião que os seus opositores tinham sobre si.

Há quatro anos, utilizavam-se argumentos de elitismo para atacar Ricardo Figueiredo. Hoje, é o inverso. Apelida-se a candidatura de Paulo Cavaleiro de “populismo”. O populismo é um flagelo na democracia ocidental, que assenta em pilares como o ataque aos refugiados, aos imigrantes e sobretudo, às elites. Não se verifica a utilização de qualquer ataque por parte da coligação PSD / CDS a um dos grupos mencionados. Antes pelo contrário, há uma mensagem explícita que as “elites” de S. João da Madeira não querem Paulo Cavaleiro como presidente. Não me parece que tal seja verdadeiro. Estive na apresentação do candidato no Largo S. António em Julho e muitas das pessoas presentes, tinham estado igualmente em 2013 na Casa da Criatividade na apresentação de Ricardo Figueiredo, à qual igualmente compareci. Em ambas como independente. Há uma catarse argumentativa, uma expiação do populismo exercido em 2013, que fica bem se o arrependimento for sincero e não pontual. 

As redes sociais são hoje um instrumento ideal para o poder de manipulação. Devia ter escrito a frase entre aspas, pois é uma citação retirada de um texto de Pacheco Pereira. O contexto era a comemoração das 10.000 edições do jornal Público. O historiador alertava para a necessidade de mediar os comentários anónimos nas páginas on-line dos jornais nacionais. Quando li, lembrei-me dos ataques que existem no jornal “O Regional” aos cronistas residentes. É certo que existem outros esquemas de manuseamento das redes sociais a favor quer de políticos, quer de políticas, tudo isto sem qualquer transparência, utilizando-se páginas anónimas tentando ridicularizar candidatos, como tem acontecido nas eleições deste ano. Na mesma semana, uma página do Facebook, especializada em satirizar os agentes da política, publicou dois posts alusivos ao candidato de PSD / CDS de S. João da Madeira. Pelo meio ainda o brindaram com uma alcunha.

                Perante tudo isto, aguarda-se pela publicação de novas sondagens, para verificarmos qual a mensagem que melhor é acolhida pelos eleitores: a positiva, respeitando os adversários políticos e promovendo uma campanha dinâmica de informação ou, no campo oposto, a ziguezagueante com argumentos antagónicos conforme o adversário e sobretudo, com apreciações dos candidatos que em nada abonam a classe política que o permite.

                O escrutínio do primeiro dia de Outubro dissipará todas as dúvidas. 

 

(a publicar no dia 21/09/17)

quarta-feira, setembro 06, 2017

Apontamentos de Agosto (não necessariamente autárquicos)

1. Em 1986 quando a Praça Luís Ribeiro ficou liberta de trânsito, havia a ingénua expetativa de a tornarem num espaço amplo, como algumas praças de cidades europeias (incluindo as vizinhas espanholas), mantendo a traça arquitetónica do lado nascente, que nessa época tinha o seu lado sul a fechar. Infelizmente, o Parque América, apesar de ainda não estar finalizado, já era uma realidade edificada, demonstrando a sua monstruosidade. O anunciado progresso com arranha-céus, centro comercial, discoteca e cinema inibiram a população de se pronunciar contra a construção. Houve sempre a esperança, atendendo às dificuldades da empreitada, que o edifício jamais terminasse. Ano após ano, a obra esteve parada e durante todo esse tempo não houve nenhuma manifestação veemente, ruidosa e organizada. A passividade continuou com a ideia de aplicar uma chaminé bem no centro, retirando amplitude à Praça. Nessa época, a possibilidade de promover concertos de música era uma realidade bem aproveitada, enchendo-se o centro com centenas de pessoas, para ouvir grupos de vários estilos musicais, havendo um critério rigoroso na seleção dos mesmos. E não havia sábado, domingo ou feriado em que não estivesse a praça cheia, mesmo na véspera. O elemento arquitetónico, depois de entrar em funcionamento em 1992,nada trouxe ao centro. Na perspetiva de espaço musical, a redução de capacidade na plateia, devido ao volume de construção no centro, associado a uma escolha sofrível nos concertos promovidos, foram afastando a população. Entretanto, novos espaços da cidade recebiam concertos a sério. O elemento arquitetónico era pouco visitado, até surgir a ideia de ali instalar uma associação de jovens. Tudo mudou já neste século, esta associação foi despejada, o elemento arquitetónico ficou vazio, a ocupar espaço no centro da Praça e aos poucos a sua utilidade foi posta em causa, bem como, a sua estética. Este Agosto desapareceu. A Praça ganhou de novo amplitude, visibilidade de nascente para poente, trinta anos depois. Houve protestos. Chegaram atrasados. Três décadas, uma geração. Tempo perdido.

2. Foi simpático aparecer um cachecol da ADS, durante o concerto de Manel Cruz no Festival de Paredes de Coura. Passei por lá quatro dias, a ouvir bandas emergentes e outras consagradas, muitas ao meu gosto, noutros casos a descobrir novos sons e a educar o ouvido. Sobretudo ouvir jovens que se inspiram em bandas que acompanhei devotamente, nos tais anos 80 do século passado. No rescaldo das férias, passei o mês a ver concertos. Logo no início a assistir à homenagem da cidade do Porto e do festival PianoFest à pianista Olga Prats. Além dos dias do Alto Minho, ainda tive tempo de passar, no sul do país, pelos Xutos e Pontapés, para mesmo no fim de Agosto e passados 33 anos, conseguir assistir ao filme Stop Making Sense. Um concerto dos Talking Heads filmado pelo falecido Jonathan Demme (realizador referência do cinema norte americano da década de 90). Numa sala de cinema, tive oportunidade de ver um documento que mostra o divertimento que pode ser um concerto, para o público e para os músicos. Além disso, a prestação de David Byrne é excelente e deu para arrepiar ao assistir ao seu desempenho, levando-me a perceber como sempre gostei da exuberância, no momento apropriado.

3. Assunto de Agosto, resolvido no início de Setembro, compareço na apresentação da nova equipa de Natação da ADS. Como sócio fico contente pela aposta do clube. A ADS continua a prestar um grande serviço à comunidade local e como bem afirmou o seu presidente, Luís Vargas Cruz, seria imperdoável que a atleta olímpica da cidade, Ana Rodrigues, tivesse que ir representar um clube de outro concelho. Dos novos diretores da secção, espera-se a dedicação apropriada para constituir uma nova equipa de acordo com os pergaminhos do clube. Ao treinador, Luís Ferreira, pela experiência acumulada, pede-se o empenho de sempre e sobretudo, audácia, para lançar um projeto de longo prazo para a Natação de competição de S. João da Madeira.                 

 

quarta-feira, agosto 30, 2017

Clima eleitoral

Foi necessário esperar pelo mês de Agosto, para finalmente se ficar a conhecer a totalidade dos candidatos às eleições autárquicas, do próximo dia 1 de Outubro.

Entre surpresas pela positiva, com o ingresso de novas caras entre os candidatos e a estupefação, pela saída de nomes consagrados da política local, os demais partidos ou coligações optaram claramente por uma maior renovação das suas listas, nos mais variados órgãos. Sendo certo que há recandidatos e alguns a encabeçar determinadas listas.

Existem dois fatores a destacar nas listas dos partidos com mais hipótese de vencer, segundo a sondagem publicada pelo semanário “O Regional” no dia 27/07.

Em primeiro lugar, a semelhante idade dos candidatos à presidência da Câmara Municipal de S. João da Madeira, ambos na casa dos quarenta anos. O que é um sinal de renovação e uma aposta no futuro, seguindo o princípio de que a experiência vai-se acumulando no exercício do cargo. Contudo, atendendo à sua idade, estes candidatos sofrem da desconfiança da população.

O aumento da esperança de vida tornou a população mais envelhecida, havendo uma grande percentagem de habitantes na casa dos 50, 60, 70 e 80 anos ainda ativos e com vontade de exercer o seu direito ao voto. Perante candidatos mais novos, desencadeia-se uma certa dúvida acerca das suas aptidões políticas. Porém, contraria-se as incertezas com o vasto currículo político dos candidatos. Sobrando, apesar de tudo, um sentimento paternalista dos eleitores mais velhos, estando sempre prontos a dar conselhos aos candidatos, mais novos.

O outro destaque vai para a composição das listas para o executivo municipal. O PS com uma aposta clara e corajosa em independentes, atribuindo lugares elegíveis a duas mulheres, o que reforça o esforço pela igualdade de género daquele partido. A este equilíbrio, a coligação PSD / CDS-PP respondeu com maestria. Primeiro recuperou mais dois dos vereadores que acompanharam os primeiros mandatos de Castro Almeida, reforçando a ideia da aposta em experiencia autárquica. Além disso, contemplou o parceiro mais pequeno da coligação com um lugar destacado, o que não só, é um reforço político, atendendo à experiência de João Pinho de Almeida, como também a tentativa de fixar o voto de direita nesta coligação.

E este é um ponto fulcral na eleição deste ano: a ausência do movimento independente.

Depois do surpreendente resultado de 2013, com a eleição de um vereador, o eleitorado penalizou esta força política, nas eleições intercalares de 24 de Janeiro de 2016, esvaziando-a nas urnas. Saber como vão reagir os 6,5% de eleitores no presente ano, é um dos desafios para os partidos. Para já, atendendo à matriz conservadora associada ao movimento independente S. João da Madeira Sempre, a coligação, pelo 3º lugar atribuído ao CDS conforme atrás mencionado, alarga mais os seus limites eleitorais e pode vir a recolher dividendos políticos para a obtenção de uma maioria tranquila.      

 Perante tudo isto, ultrapassado os atribulados convites, a apresentação de candidatos que afinal eram mandatários, chegamos a Setembro com tudo definido e em tempo de apresentação de propostas eleitorais.

Olhando para o calendário, verificamos que apenas falta um mês, para se saber quem será o vencedor das eleições autárquicas de S. João da Madeira.

As eleições deste ano, entre a apresentação de candidatos e a contagem de votos, ficarão resolvidas em seis meses, o que pode parecer curto. Ou antes pelo contrário, poderá ser o tempo ideal para um período eleitoral.

 

(a publicar no dia 31/08/17)